Header Ads

ad728
  • Recent

    A Mente Como o Grande Campo de Batalha



    A MENTE: COMO O CAMPO DE BATALHA


    De acordo com a Bíblia, a mente do homem é incomum or se constituir um campo de batalha onde satanás e seus maus espíritos contendem contra a verdade e contra o crente.
     A mente e o espírito do homem são como uma cidadela que os maus espíritos anseiam por capturar.
    O campo aberto onde a batalha se trava para a conquista da cidadela é a mente do homem.
    Em 2 Co.10:3-5, o Apóstolo Paulo compara os argumentos e raciocínios do homem a uma fortaleza do inimigo. Ele descreve a mente como que possuída pelo inimigo que deve ser quebrada então pela batalha travada.
     Muitos pensamentos rebeldes estão armazenados nestas fortalezas e precisam ser levados cativos à obediência de Cristo.
     Tudo isso mostra claramente que a mente do homem é o cenário da batalha onde os maus espíritos entram em conflito com Deus.

     Podemos ver como os poderes das trevas se relacionam principalmente com a mente do homem e como ela é de uma forma peculiar susceptível aos ataques de Satanás.
     Com respeito às outras funções da alma - vontade e emoção -, Satanás não tem como fazer nada, a menos que tenha ganho algum terreno neles.
     Mas com respeito à mente, ele pode operar livremente sem primeiro persuadir o homem ou garantir o seu convite.
    Antes da regeneração, o intelecto do homem o impede de compreender a Deus.
     É necessário que Seu grandíssimo poder destrua os argumentos do homem.
     Esta é uma obra que deve ocorrer na hora do novo nascimento, e acontece na forma de arrependimento.
     Mas mesmo depois do arrependimento, a mente do crente não é totalmente liberada do to­que de Satanás - ele vai continuar agindo. Em 2 Co.l1:3 Paulo reconhece que o deus desse mundo segua a mente dos não crentes e engana a mente dos que crêem.
     Hoje, muitas vezes Satanás se disfarça como um anjo de luz, a fim de conduzir os santos, propagando um evangelho diferente do evangelho da graça de Deus.
     Na verdade, são poucos os que poderiam imaginar que o diabo poderia dar bons pensamentos aos homens!
    É possível que um filho de Deus tenha uma nova vida e um novo coração e ainda não ter uma nova cabeça.
     Quão frequentemente as intenções do coração são inteiramente puras, mas os pensamentos na cabeça são confusos.
     Se a mente do cristão não é renovada, sua vida está destinada a ser desequilibrada e estreita.
     O povo de Deus precisa saber que, se desejam viver uma vida plena.
     sua mente deve ser renovada.
     A Bíblia declara enfaticamente que devemos" ser transformados pela renovação da nossa mente" (Rm12: 2).

    A mente sob o ataque dos espíritos maus

    O cristão pode descobrir que é incapaz de regular sua vida mental e fazer com que ela obedeça o propósito da sua vontade. Pergunte a si mesmo: Quem controla a minha mente? Eu mesmo? Se assim for por que não posso controlá-la agora? É Deus quem dirige minha mente? Se não sou eu nem Deus quem regula a vida mental, quem então está no controle? Obviamente são os poderes das trevas.
     Por isso, sempre que o filho de Deus observa que não tem mais capacidade para governar a mente, ele deve perceber logo que é o inimigo quem a está dirigindo.
    Um fato que devemos sempre manter em mente é este: o homem possui vontade livre.
     A intenção de Deus é que o homem tenha controle de si mesmo. Ele tem autoridade para regular cada uma de suas capacidades naturais; por isso, todos os seus procedimentos mentais devem estar sujeitos ao poder da sua vontade.
     O cristão deve perguntar a si mesmo: Esses são meus. pensamentos? Sou eu quem está pensando? Se não sou eu, então deve ser o espírito maligno que é capaz de operar na mente do homem.
     Essa pessoa deve saber que, neste caso, ela não teve a intenção de pensar e ainda assim pensamentos brotaram em sua cabeça.
     Sua conclusão deve ser que estes pensamentos não são seus, e sim do espírito maligno.
     Mas como saber se um pensamento é seu ou de um espírito maligno? O cristão deve observar como ele surgiu.
     Se sua faculdade mental está tranqüila e serena, funcionando normal e naturalmente e, de repente, um pensamento desordenado e sem qualquer ligação com suas atuais circunstâncias brota, muito provavelmente é uma ação dos maus espíritos.
     Eles estão tentando injetar seus pensamentos na cabeça do crente para assim levá-lo a aceitá-los como seu.
     Se o filho de Deus não deu origem à idéia, mas pelo contrário, se opõe a ela, e mesmo assim ela continua em sua cabeça, pode concluir que tal pensamento vem do inimigo.
     Cada pensamento que o homem escolhe não pensar, e cada um que se opõe à vontade do homem, não vem dele e sim do exterior. É muito importante saber que os poderes das trevas operam não apenas do lado de fora, mas do lado de dentro do homem também. Isto quer dizer que eles podem se comprimir na vida de pensamento do homem e operar dali.
     Os espíritos malignos possuem uma capacidade de comunicação que o homem não possui.
     Eles podem trabalhar inicialmente na mente do homem e depois alcançar sua emoção e vontade.
     A Bíblia mostra claramente que os poderes das trevas tanto podem comunicar idéias ao homem como tirá-las dele: o diabo já havia colocado no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse (Jo. 13:2) e "Logo vem o diabo e tira-lhes do coração a palavra" (Lc. 8: 12).

    As causas do ataque dos maus espíritos

    Sempre que alguém oferece oportunidade aos maus espíritos, ele não pode mais seguir sua própria vontade, mas deve ser obediente à vontade do outro.
     Ao ceder terreno a eles em sua mente, imediatamente sua soberania sobre ela é perdida. Devido a essa afinidade entre'a mente e os maus espíritos, o cristão sempre abre caminho para eles.
     O terreno ganho concede autoridade a essas potestades para operarem sem impedimento na mente do crente. Mas a mente do homem pertence ao homem e sem a sua permissão, o inimigo não tem poder para usá-la.
    É no campo das idéias e do pensamento que o cristão fornece território aos maus espíritos, e dali é que eles operam. Falando de modo geral, são seis os tipos de terrenos que podem ser cedidos ao inimigo. Vamos exa­minar cada um deles.
    a) Uma mente não renovada
    Se a mente do cristão não é renovada depois do seu espírito ser regenerado, ele expõe grande território às maquinações do espírito maligno.
     Sabedores de que essa mente não renovada constitui sua melhor oficina de trabalho, as forças do inimigo empregam todo artifício para manter o crente na ignorância ou então impedindo-o de buscar a renovação da sua mente.
    b) Uma mente incorreta
    Todos os pecados fornecem território ao adversário.
     Se um fi­lho de Deus alimenta o pecado em seu coração, ele está emprestando sua mente aos espíritos satânicos para uso deles.
     Todos os pensamentos impuros, orgulhosos, sem bondade e injustos fornecem bases de atividades a esses espíritos.
    c) Interpretar mal a verdade de Deus
    Se os seguidores de Deus compreendem ou interpretam erradamente como sendo natural ou causado por eles mesmos, aquilo que os maus espíritos causaram em seus corpos, circunstâncias ou trabalhos, eles estão cedendo terreno precioso a eles para suas abomináveis realizações.
     Uma mentira abraçada foi o terreno para mais atividades pelos elementos satânicos. Por outro lado, muitos cristãos interpretam mal as verdades de Deus.
     Os maus espíritos planejam de acordo com o entendimento errado do crente, e este julga que essas coisas são de Deus, ignorando que elas são apenas uma imitação dos maus espíritos e fundamentadas no seu mal entendimento.
    d) Aceitação de sugestões.
    Os espíritos malignos colocam seu pensamento na forma de profecia, depois a plantam na mente do crente para ver se ele vai aceitá-la ou rejeitá-la Se a mente dele não oferecer objeção e, pelo contrário, até mesmo aprovar esta profecia, os espíritos da impiedade conquistaram um lugar para realizar o que propuseram.
     O cumprimento das palavras dos adivinhos é baseada inteiramente nesse princípio. Os demônios injetam palavras com respeito ao corpo do cristão, tais como predizer sua fraqueza ou doença.
     Se o crente absorve este pensamento, ficará de fato doente e fraco.
    e) Uma mente vazia
    Deus criou o homem com uma mente para ser usada. Uma men­te vívida é um obstáculo à obra dos demônios.
     Um dos seus maiores alvos, é conduzir a mente da pessoa a um estado vazio, pois enquanto a cabeça estiver vazia, ele não pode pensar.
     O cristão deve exercitar sua mente, pois assim barra a ação maligna.
    f) Uma mente passiva
    A diferença entre uma mente passiva e uma vazia é que a mente vazia não é usada, e a passiva fica à espera de alguma força exterior para ativá-lo.
     Passividade é se abster de mover por si mesmo e deixar que elementos exteriores façam isso.
     A passividade reduz o homem a uma máquina.
     A passividade oferece aos espíritos malignos oportunidade de ocupar também a vontade e o corpo do crente.
     Se alguém permitir que a sua cabeça pare de pensar, pesquisar, decidir e de examinar sua experiência e ação à luz da Bíblia, ele está praticamente convidando Satanás a invadir sua mente e enganá-lo.
     Em seu desejo de seguir a direção do Espírito Santo, muitos dos filhos de Deus sentem que não precisam de medir, investigar e julgar à luz da Bíblia todos os pensamentos que aparentemente vêm de Deus.

    Nenhum comentário

    Deixe seu comentário.

    Post Top Ad

    Garanta Sua Vaga Gratuitamente

    Post Bottom Ad

    ad728