» » » CRISTO E O CRISTIANISMO / CRISTO VERSUS DOUTRINAS

  Nossa fé cristã é baseada na revelação de Deus. É diferente de todas as demais religiões que são obtidas por meditação, conjecturas e pesquisas. Cremos que a Bíblia é a revelação de Deus para nós. Em outras palavras, ela é Sua palavra falada para nós. Também cremos que Deus tornou-se um homem, que é o próprio Jesus de Nazaré. Deus, a Bíblia e Jesus Cristo constituem a base da nossa fé.

A Posição de Cristo
Comecemos vendo a posição que Cristo ocupa em nossa fé ou, se você preferir, no cristianismo. Todavia, o cristianismo como tal foi alterado e não se encontra da maneira como deveria ser. Por hora, não mencionaremos o que deveria ser o cristianismo. Em vez disso, faremos uma comparação entre o cristianismo e outras religiões, para que possamos ver a carac-terística diferente da nossa fé. Não tentaremos intenci­onalmente exaltar o cristianismo e rebaixar outras religiões. Apenas faremos uma comparação objetiva entre elas. Primei­ramente, considere-mos o confucionismo. Na verdade, os seguidores do Confú-cionismo nunca afirmam formalmente que são uma religião. O confucionismo meramente exerce uma enorme influência na cultura, educação, ética e filosofia chinesa. Entretanto, uma coisa é certa: os ensinamentos e doutrinas de Confúcio são da maior importância, enquanto a pessoa de Confúcio não é tão crucial. Não quero dizer que o confucionismo não se importa com Confúcio. Sem dúvi­da, esse homem foi uma pessoa extraordinária. Todavia, para ser parte do confucionismo, tudo o que se necessita é compreender as doutrinas de Confúcio, viver por seus ensinamentos e estar familiarizado com seus livros. Não importa se a pessoa entende ou não o homem Confúcio. Os princípios, doutrinas e ensinamentos de Confúcio são a essência da religião.



As Doutrinas do Budismo
A seguir, consideraremos o budismo. O fundador do budismo é Sakya Muni. Ele pregou uma vez a seus discípulos sobre as pessoas más reencarnarem, após a morte, através da Roda da Reencarnação. Isso é algo que atrai o homem. Mas em todo o budismo, a ênfase está nas doutrinas e teorias. Quanto ao homem Sakya Muni, embora sua história e biogra­fia existam, elas são parentéticas. Elas não formam o ponto crucial do budismo. O centro da religião não é o homem Sakya Muni. Se existe ou não tal pessoa, não é importante para o budismo hoje. Tudo o que é necessário são as doutrinas e ensinamentos.

Os Fundadores somente Deixaram suas Doutrinas
Outras religiões, como o taoísmo e o islamismo, estão no mesmo princípio. Depois que cada fundador estabeleceu uma religião e deixou seus ensinamentos, doutrinas e regulamentos como o conteúdo de sua religião, o próprio fundador é dissociado da religião e nada mais tem a ver com ela.

O Cristianismo Edificado Sobre Cristo
Mas a nossa fé é totalmente diferente. Desde seu começo, o cristianismo é edificado sobre o Homem Cristo. Ele não é edi-ficado sobre as doutrinas e ensinamentos de Cristo. O espanto-so é que, ao abrir a Bíblia, você não encontrará muitos capítulos de doutrinas. As passagens em que há pura exposição doutrina-ria são raras e menos afeitas às pessoas. 0 que mais nos afeta é o próprio Homem e que tipo de pessoa Ele é. Todos os que leram a Bíblia sabem que os ensinamentos de Jesus de Nazaré não são notadamente volumosos. É Sua pessoa que atrai. Uni-camente Ele é o fundamento da nossa fé.
A palavra "Cristo" é proveniente do grego e significa "o Ungido". Segundo os chineses, quando um homem vai em­preender uma tarefa, é-lhe dado um contrato de emprego. O equivalente judaico para isso é a unção. Quando Deus comissiona alguém para um trabalho, Ele derrama óleo sobre a pessoa como um selo de comissionamento. Cristo é o próprio Deus que foi separado para vir a terra e ser um homem para a manifestação de Deus, a fim de que o homem pudesse conhecer Deus. Cristo é o Ungido. Ele foi comissionado para tal tarefa.

Cristo Exige que as Pessoas Creiam Nele
Devido a essa diferença básica, Cristo é diferente dos demais fundadores de religiões. Certa vez Ele perguntou aos discípulos: "Quem vocês pensam que eu sou?" Muitas vezes Ele pediu a Seus discípulos que cressem Nele. Ele disse que aquele que crê no Filho tem vida eterna. Outra vez Ele disse: "Amem-Me mais que a vosso pai, mãe, esposa e filho”.Se um homem não amar assim, ele não é digno de ser Seu discípulo. Palavras como essas somente foram proferidas por Ele. Ne­nhum outro líder religioso jamais disse algo assim. Confúcio nunca disse para Yen Weh ou para Tze Lu: "Crede em mim" nem disse "Amai-me”.Tampouco nenhum dos demais líde­res, como Sakya Muni ou Maomé, exigiram que seus discípu­los tivessem fé na pessoa deles. Tudo o que é necessário para ser discípulo deles é crer em suas doutrinas.

A Questão é: Quem é Jesus?
Portanto, a verdadeira fé cristã é baseada numa pessoa. Ela é edificada em Cristo e não em algumas doutrinas. O ponto crucial da verdadeira fé cristã é: Quem é Jesus? Ele é meramente um judeu? É apenas um profeta? Ou Jesus é o Filho do Deus vivo? Toda a questão depende de quem é Jesus de Nazaré. A diferença entre um cristão genuíno e um falso não está no conhecimento das doutrinas de Cristo. Em vez disso, está em conhecer quem é Jesus!

A Resposta Está na Bíblia
Quem é esse homem de Nazaré? que essa é uma questão crucial, relacionada à nossa fé básica, temos de encon­trar uma resposta na Bíblia. Daremos mais atenção ao Evange­lho de João. Ali você descobrirá que somente o próprio Cristo é o centro da Bíblia e o ponto focal de todo o cristianismo.
Antes de irmos para o Evangelho de João, temos de dar uma olhada no contexto histórico desse livro. Antes da vinda de Cristo, Deus enviou um precursor para preparar-Lhe o cami­nho, a fim de que o homem pudesse reconhecer Cristo. O precursor foi João Batista. Por causa de sua pregação poderosa muitas pessoas foram convencidas e, como resultado disso, muitos pensavam que ele era o Cristo que deveria vir.
Mas João 1:8 diz: "Ele não era a luz, mas veio para que testificasse da luz”.A luz, aqui, refere-se a Cristo. Por que Ele é chamado de a Luz? Porque a luz revela e manifesta. João não era o Cristo. Ele apenas dava testemunho de Cristo.
Quanto a essa luz, o versículo nove diz: "A saber: a verdadeira luz que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem”. Neste mundo tenebroso,se uma pessoa tem Cristo, ela conhecerá tudo sobre Deus. Quando essa luz brilha, o homem diz: "Eis aqui Deus”. Ele reconhecerá Deus como luz.
Até aqui, ainda não sabemos quem é essa luz. Leiamos, então, do versículo 10 ao 15: "Estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito, do Pai. João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: O que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim”. Você percebeu, depois de ler os versículos acima, que tudo o que está registrado aqui são fatos verdadei­ros, em vez de uma porção de doutrinas?

Jesus É
Que disse João Batista a respeito de Cristo? Ele disse: "O que vem depois de mim". Entretanto, o que vinha depois de João teria a primazia. Por quê? Porque Cristo tinha o primeiro lugar em relação a João. Esse é o começo do testemunho de João Batista.
João 1:27 diz: "O qual vem após mim, do qual não sou digno de desatar-lhe as correias das sandálias”.A pregação de João é o começo da nossa fé. Ele veio simplesmente para dizer aos outros quem é Jesus de Nazaré. Cristo não somente tinha a primazia em relação a João, Ele era tão maior que João, que este não era digno de desatar-Lhe as correias das sandálias e ser Seu servo.
João 1:29 diz: "No dia seguinte, viu João a Jesus que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" E o versículo 30: "É este a favor de quem eu disse: Após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim”.Quando João apresentou Jesus, ele disse: "Eis o Cordeiro de Deus". O Evangelho de João começa mostrando quem é Jesus!

A Doutrina de Regeneração
Essa é a palavra do precursor. E quanto a Cristo? Que Ele próprio falou? Admitimos que na Bíblia há algumas doutrinas básicas. Por exemplo: a regeneração é uma das verdades básicas. Parece que o budismo e o islamismo também falam de regeneração. Em seus ensinamentos, eles ensinam que tudo o que passou é considerado como um ontem morto, e tudo o que está por diante é considerado como um dia que nasceu. Mas que disse Jesus da regeneração? Vejamos o registro de João capítulo três. "Havia, entre os fariseus, um homem, chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. Este, de noite, foi ter com Jesus”.
Esse Nicodemos era um dos principais dos judeus. Era uma pessoa culta e idosa. Ele foi ter com Jesus para discutir problemas. Jesus, então, introduziu o assunto da regenera­ção. "Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”.
Jesus estava mostrando essa questão da regeneração, dizendo-lhe que ele precisava nascer de novo. Imediatamente depois de ter ouvido isso, Nicodemos ficou confuso. Ele pensou: Como poderia um homem velho nascer de novo? Aquilo significava que ele teria de voltar para o ventre de sua mãe e sair de novo? Jesus lhe disse que esse não é um nascimento da carne, mas do espírito. Se alguém não nascer do espírito, mesmo que ele possa entrar de novo no ventre de sua mãe, a carne ainda irá gerar carne. Somente o espírito gera espírito. Aqui você pode ver que mesmo em tal assunto básico e fundamental, Jesus não expôs muita doutrina. Ele apenas mencionou um fato muito simples  nascer de novo.

Regeneração é Simplesmente Crer
Não é de se admirar que Nicodemos tenha perguntado: Como é que isso pode acontecer? Jesus lhe disse que esse não é um assunto terreno. Trata-se de algo celestial. É por isso que eles não conseguem crer. Como pode um homem nascer de novo? "Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do homem [que está no céu]. E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna. Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.Você entendeu isso? Isso é regeneração!
Tudo o que Jesus estava dizendo é que a regeneração não é uma doutrina. Trata-se simplesmente de crer Nele. Nascer de novo é simplesmente crer Nele. Se alguém não crer Nele, não pode ser regenerado. Depois de tanto falar, tudo volta para "Ele".
Qual é o nosso conceito de regeneração? Pensamos que se alguém ontem foi um ladrão e hoje devolve o produto de seu roubo ao proprietário, isso é regeneração. Ou, que se alguém ontem pensou em ter uma amante, mas hoje abandona a idéia, isso é regeneração. Pensamos que desde que deixemos de fazer qualquer coisa má que vínhamos fazendo, considerando-as mortas, e esforçando-nos por fazer o bem daqui por diante, então nascemos de novo. Mas esse é o conceito do homem. Não é essa a regeneração que Cristo dá.
A condição de Jesus é que você creia Nele. Quem crê Nele tem a vida eterna! Deus deu Seu Filho unigênito, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Quem Nele crê não é julgado, mas o que não crê já está julgado. Não se trata de uma doutrina. É uma questão da pessoa. É um relacionamento entre Ele e o homem.

Satisfação versus Contentamento
Além da regeneração, há outro assunto crucial, que chamamos de satisfação cristã. Um cristão genuíno sente que suas esperanças são realizadas e suas aspirações satisfeitas; ele não tem carências; está absolutamente satisfeito. Mas essa satisfação é muito diferente do contentamento que as pessoas normalmente falam. Contentamento é ver as coisas de maneira otimista, deixar que as coisas aconteçam como elas  são, sem tentar insistir em nada. Ainda que não haja muita riqueza ou posição, muita honra ou renome, desde que a pessoa viva em paz e não seja incomodada, está bem! Isso é contentamento. Mas não é satisfação. Satisfação é quando a pessoa sente que tem o que quer e não deseja mais nada.

Quem Beber desta Água Tornará a Ter Sede
Há uma excelente história no capítulo quatro de João. Que disse Jesus para uma mulher samaritana ali? "Quem beber desta água tornará a ter sede”.Se deseja a glória do mundo, renome, riquezas, posição etc., você nunca estará satisfeito. Quando tiver dez mil dólares, você desejará cem mil; e quando ganhar cem mil, começará a sonhar com um milhão. Nunca existirá satisfação. Quem beber dessa água tornará a ter sede.
Como se pode saciar essa sede? O Senhor disse: "Aquele, porém, que beber da água que eu lhe der, nunca mais terá sede, para sempre”.É, de fato, impressionante que nem Confúcio ou qualquer outro líder religioso jamais tenham dito tal coisa. Os ensinamentos de Confúcio e de Mâncio apenas dizem a você que esteja contente e viva em sua pobreza. A pessoa de Confúcio ou a de Mâncio nada têm a ver com o seu contentamento. Entretanto, a pessoa de Jesus aqui, tem muito a ver com o saciar da sua sede.
Essa mulher, naturalmente, desejava beber dessa água que mata a sede. Ela pediu a Jesus essa água viva. "Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva".
Jesus estava pregando uma doutrina aqui? Não, não havia qualquer doutrina aqui. A única coisa que Ele fez foi indicar a Si mesmo dizendo: "Se soubesse quem Ele é, você Lhe pediria logo, e ele Lhe daria água viva, para que você nunca mais tenha sede”.Você entendeu isso? Toda a questão está em quem é Jesus de Nazaré.
   A mulher samaritana não era uma mulher decente. O fato de ter tido seis maridos mostra que tipo de mulher ela era. Ela deve ter ficado insatisfeita com este e aquele. Um marido não pôde satisfazê-la; outro tampouco pôde satisfazê-la. Como resultado ela mudou de um marido para outro, e, então, para um terceiro, um quarto, até que chegou ao sexto. Um dia ela saiu para tirar água, o que simboliza que ela era alguém que bebe e ainda está com sede. O extraordinário é que, naquele dia, sua vida foi mudada. Ela ficou satisfeita! Que fez ela? Ela não fez nada! Naquele dia ela percebeu quem é Jesus de Nazaré e foi salva. Vejamos o processo pelo qual ela veio a conhecer Jesus e a crer Nele.

Sabendo Quem Ele É
"Senhor, disse-lhe a mulher: Vejo que tu és profeta”.Pelo fato de Cristo ter-lhe dito tudo o que ela fizera, ela se deu conta de que aquele não era um homem comum. Ele devia ser um profeta. Jesus disse algo mais a ela, para mostrar-lhe que Ele não era meramente um profeta: "Crê em mim”."Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier nos anunciará todas as coisas”.Que Jesus respondeu a ela? Ele disse: "Eu o sou, eu que falo contigo”.Para um pecador, a primeira coisa necessária não é arrepen­der-se e mudar seu comportamento, mas perceber quem é Jesus. Tudo estará bem se ele perceber quem é Jesus.
Depois, a mulher voltou à cidade e disse às pessoas: "Vinde comigo, e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Será este, porventura, o Cristo?" Eu não gosto das palavras "será este" aqui. Como ela já sabia que esse homem é o Cristo, por que dizer "será este?" De qualquer maneira, ela creu, e foi dizer às pessoas que o Cristo chegara. Pode-se ver claramente aqui que toda a questão não é uma doutrina, mas uma pessoa! Nossa preocupação básica não são doutri­nas, mas é ver quem é Jesus! Uma vez que temos o Senhor Jesus, temos satisfação real; somos enchidos com o sentimen­to de termos adquirido tudo.
Veremos agora um pouquinho de João 5. Parece que no capítulo cinco o Senhor Jesus falou sobre algumas doutrinas. Mas, na verdade, não houve tanta explanação doutrinária. Foi, novamente, um convite ao conhecimento de quem é Jesus de Nazaré. Ele falou algumas palavras, mas elas foram ditas para levá-los a crer Nele. Aqui também é dito que os judeus examinavam as Escrituras. Mas o Senhor mostrou que as Escrituras também testificam a respeito Dele. O que está escrito ali diz respeito a Ele. É importante conhecer as Escritu­ras. Porém, mais importante que isso é o conhecimento de quem é Jesus de Nazaré. A questão não é que tipo de ensinamento Ele ensina, mas que tipo de pessoa Ele é.

Eu Sou
Quando chegamos ao capítulo seis, essa questão é levan­tada de maneira ainda mais clara. "Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim, jamais terá fome; e o que crê em mim, jamais terá sede”.Ele não pregou nenhuma doutrina. Ele simplesmente disse: "Eu sou o pão da vida; o que vem a mim, jamais terá fome”.Você viu a implicação aqui? Se eu disser que sou o seu pão da vida e que aquele que comer de mim jamais terá fome, certamente você dirá que esse senhor Nee é um louco de Xangai. Até mesmo todos os líderes religiosos somente podem dar doutrinas aos outros. Eles não podem dar a si mesmos para os outros. Mas Jesus é diferente. Ele é o pão da vida. Ele também é a água que mata a sede. O problema está no fato de as pessoas não crerem Nele. Quando alguém crê Nele, tudo estará bem.
"Eu sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que todo o que dele comer não pereça”.Essas são palavras que ninguém mais pode falar. Somente Jesus pode dizer isso. Ele não é louco nem mentiroso. E tudo o que diz, sempre aponta para a Sua pessoa. Esse homem é o pão da vida. Quem comer Dele não perecerá!
Portanto, a base da nossa fé cristã é uma questão de quem é Jesus de Nazaré. Não estamos gastando tempo para simplesmente estudar Seus ensinamentos. Somente nos é pedido que respondamos a uma pergunta: Quem é Ele? O que Cristo proclamou persistentemente na terra não foram Suas doutri­nas, mas Ele próprio. A ênfase não está nas doutrinas, mas na pessoa. Quanto às doutrinas, os livros de Confúcio e Mâncio estão cheios de filosofia, ética e moral, que excedem às da Bíblia. Há somente uma questão: Quem é Jesus de Nazaré? Você sabe quem é esse Jesus de Nazaré?

Ele é o Pão da Vida
Vejamos o que diz João em 6:51: "Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo, é a minha carne”.
Aqui, Suas palavras tornam-se cada vez mais peculiares. É muito estranho dizer que Ele é o pão da vida que desceu do céu. E agora Ele diz que aquele que comer Dele, não apenas não morrerá, como viverá eternamente. Isso é absolutamente extraordinário. Mais intrigantes ainda são as palavras que dizem que o pão que Ele dá é a Sua carne. Não é de se admirar que os judeus dissessem naquela ocasião que aquele discurso era duro. Quem pode aceitar isso? É verdade ! Jamais ouvimos tais palavras. Nunca as ouvimos de Confúcio, de Mâncio, de Lao Tsé, de Chuan-Tsé ou de qualquer outro sábio. Nunca ouvimos isso na China nem em qualquer outro país. Nenhum homem jamais falou tais palavras.
    É por isso que, depois de Cristo ter falado tais palavras, podemos ler no versículo 52: "Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como pode este dar-nos a comer a sua própria carne?" Que doutrina Jesus pregou? Nenhuma. Tudo o que Ele falou foi sobre comer a Sua carne. Os versículos 55 e 56 dizem: "Pois a minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue, permanece em mim e eu nele." Você pode ver que tudo o que Ele está enfatizando é Ele mesmo. Não se trata de um conjunto de doutrinas, mas de comer a Sua carne e beber o Seu sangue. Os que comerem e beberem, viverão eternamente.

Ele é a Água da Vida
Quando chegamos ao capítulo 7 de João, vemos o último dia de uma grande festa. Jesus também falou algu­mas palavras diante daqueles que estavam na festa: "No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”.Imaginem só: em um de nossos feriados festivos, eu, Watchman Nee, levanto-me no meio da mul­tidão e grito: "Se vocês estão com sede, venham a mim e bebam. Quem crer em mim, do seu interior fluirão rios de água viva." Que diriam vocês? Certamente diriam que esse é um maluco de Xangai. Ele fala coisas absurdas. Mas foi exatamente isso que Jesus fez e disse. Não havia, de fato, nenhuma doutrina; mas somente a pessoa, Cristo.
Naquele dia, quando Jesus falou essas palavras, surgiu uma discussão entre os judeus. Alguns diziam que esse certa­mente tinha de ser o Cristo. Outros arrazoavam se Cristo poderia ter vindo da Galiléia. Ao tentar responder quem era esse homem, surgiu uma disputa entre os judeus. A discussão estava centrada em uma coisa: quem era Jesus de Nazaré. Um genuíno cristão é alguém que crê que Jesus é o Cristo.

Ele é a Luz da Vida
Mais adiante, em João 8:12, Jesus disse à multidão: "Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, pelo contrário terá a luz da vida”.Você pode ver que novamente Suas palavras não são doutrinárias. A ênfase aqui é a "luz" e o "eu". Não é a prática de Seus ensinamentos que torna alguém cristão, mas é um relacionamento com Cristo que nos qualifica para tal. Apenas crendo Nele é que recebe­mos a luz da vida. Apenas O recebendo é que não andaremos nas trevas.
Os versículos 21 e 22 do capítulo 8, dizem: "De outra feita lhes falou, dizendo: Vou retirar-me, e vós me procurareis, mas perecereis no vosso pecado; para onde eu vou, vós não podeis ir. Então dizíamos judeus: Terá ele acaso a intenção de suicidar-se? porque diz: Para onde eu vou vós não podeis ir." Os judeus ficaram confusos novamente. Que lugar é esse para onde Ele vai que não podemos ir? Pensavam que talvez Ele fosse suicidar-se. Na verdade se tal lugar pudesse ser alcançado pelo suicídio, os judeus poderiam chegar lá suicidando-se. Por que o Senhor podia ir a um lugar onde eles não podiam ir? O versículo 23 diz: "E prosseguiu: Vós sois cá de baixo, eu sou lá de cima; vós sois deste mundo, eu deste mundo não sou”.É por causa disso que para onde o Senhor ia eles não podiam ir.

Crer ou Não Crer que Ele É
Além disso, não seria pelo fato de serem assassinos e adúlteros que eles morreriam em seus pecados. O versículo 24 é crucial, especialmente a segunda metade: "Por isso eu vos disse que morrereis nos vossos pecados; porque se não crerdes que eu sou morrereis nos vossos pecados." A questão é se você crê ou não que Ele é. Que significa isso? Isso significa que dentre os bilhões de pessoas na humanidade, você pode tomar uma e dizer: "É Ele! Este é Deus!" Queremos examinar Jesus de Nazaré para ver se, de fato, é Ele! Se crermos que é Ele, não morreremos nos nossos pecados. Muitos crêem num cristianismo distorcido, mas nós queremos crer conforme o cristianismo realmente deve ser. E a primeira pergunta que devemos fazer é se é Jesus de Nazaré ou não.
Mais uma vez os judeus retorquiram perguntando: "Quem és tu?" Jesus respondeu-lhes: "Esta não é a primeira vez que digo a vocês quem Eu sou. Quanto a isto, nunca cedi. Já lhes disse que Eu sou, Eu o sou”.Repetidamente Ele provava aos outros que Ele é; Ele é o Filho de Deus.

A Essência da Nossa Fé
Qual é o propósito das obras de Cristo? É levar o homem a crer que Ele é o Filho de Deus. Em João , capítulo nove, Cristo deu visão a uma pessoa que havia nascido cega. Os fariseus começaram outra discussão a respeito. Eles chamaram o que fora curado e fizeram-lhe todo tipo de perguntas. Depois de não conseguirem nada de suas respostas que pudesse incriminar Jesus, eles o despediram. Mais tarde, o Senhor o encontrou. Ele fez àquele que fora curado uma única pergunta: "Crês tu no Filho do homem?" Ele respondeu: "Quem é, Senhor, para que eu nele creia? E Jesus lhe disse: Já o tens visto e é o que fala contigo. Então afirmou ele: Creio, Senhor; e o adorou”.Não há nada mais claro que isso. Essa é a obra do Senhor Jesus. Sua obra é fazer com que os homens percebam quem Ele é. Ele nunca deixou de enfatizar o fato de ser Ele o Filho de Deus. Essa é a essência da nossa fé. Ela declara que Jesus é o Filho de Deus.

Somente Este Ponto
Se ler todo o Evangelho de João, você descobrirá que todas as passagens referem-se a esse único ponto: Jesus é o Cristo. No capítulo dez, os judeus rodearam-No e disseram: "Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente." A questão ainda estava pendente nesse ponto.
Como Jesus respondeu? "Já vo-lo disse, e não credes... Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas”.Todo aquele que não crê que Jesus é o Filho de Deus, que Ele é o Deus encamado como homem, não é cristão. Os que não O reconhe­cem como o Filho de Deus, não têm a vida de Cristo em si; não são Suas ovelhas. Toda a base da fé cristã está fundamentada nisso.
No capítulo onze de João, Jesus disse novamente: "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá". Será que um mortal comum pode falar tais palavras?

Tudo Depende Dele
No capítulo doze, Jesus proclamou em alta voz: "Quem crê em mim, crê, não em mim, mas naquele que me enviou. E quem me vê a mim, vê aquele que me enviou. Eu vim como luz para o mundo, a fim de que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas”.Você pode ver que Aquele que O enviou depende Dele. Crer Nele é crer Naquele que O enviou. Vê-Lo, é ver Aquele que O enviou. A luz também depende Dele. Estar na luz é crer Nele. Tudo depende Dele.
Então, no capítulo catorze, o Senhor disse: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim”.Ele quer que creiamos Nele da mesma maneira que cremos em Deus. A coisa em que Ele sempre insiste é a exigência de crermos Nele.
No capítulo quinze há um registro sobre os que odeiam o Senhor. Ele disse: "Quem me odeia, odeia também a meu Pai”.Uma vez mais, Ele revela que Ele e o Pai são um.




Não Crer Nele é um Pecado Grave
No capítulo dezesseis de João, o Senhor disse que o Espírito Santo viria e convenceria o mundo do pecado, da justiça e do juízo. Por que do pecado? A explicação está no versículo nove. "Do pecado, porque não crêem em mim”, porque não crêem que Ele é o Filho de Deus. Isso é um pecado, um pecado muito grave. Quando o Espírito Santo vier, Ele reprovará os homens, e eles perceberão que pecado grave é não crer que Jesus é o Filho de Deus.
Mais uma passagem no Evangelho de João será suficien­te. Capítulo 17:3 diz: "A vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”.Aqui nos é mostrado o que é a vida eterna. A definição do Senhor de vida eterna é conhecer a Deus. Crer nesse Deus eterno e crer no Seu enviado, Jesus Cristo: isso é vida eterna. Vida eterna depende dessa pessoa.

Esperamos que todos nós percebamos quem é Jesus de Nazaré. Nossa fé não tem nenhuma doutrina vazia. Ela é baseada no fato de que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus. Receber Jesus Cristo é receber Deus.

Redação Catedral Da Paz

Rede Paz Brasil, Igreja Catedral Da Paz, Rio Verde-GO; Nas publicações podem conter Imagens e Textos das igrejas e seus oficiais e da Internet.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Deixe Seu Comentário

Leave a Reply

Pessoal Fiquem a Vontade Para Comentar nossas publicações