» » O Valor da Unidade Cristã



A unidade espiritual da igreja é produzida por Deus
A unidade espiritual da igreja é uma obra exclusiva de Deus. Não podemos produzir unidade, mas apenas mantê-la. Todos aqueles que crêem em Cristo, em qualquer lugar, em qualquer tempo fazem parte da família de Deus e estão ligados ao corpo de Cristo pelo Espírito.
Esta unidade não é externa, mas interna. Ela não é unidade denominacional, mas espiritual. Só existe um corpo de Cristo, uma igreja, um rebanho, uma noiva. Todos aqueles que nasceram de novo e foram lavados no sangue do cordeiro fazem parte dessa bendita família de Deus.
Esta unidade é construída sobre o fundamento da verdade (Ef 4.1-6). Por isso, a tendência ecumênica de unir todas as religiões, afirmando que doutrina divide enquanto o amor une é uma falácia. Não há unidade cristã fora da verdade.
2. A unidade espiritual da igreja precisa ser preservada com diligência
William Barclay diz que o perigo que ameaçava a igreja de Filipos e ainda ameaça todas as igrejas saudáveis é a desunião. Os negócios internos da igreja não iam tão bem quanto os negócios externos. Havia alguns transtornos em casa, diz William Hendriksen. Paulo exorta a igreja de Filipos a tapar as brechas que estavam comprometendo a unidade da igreja, como já havia exortado a igreja de Éfeso (Ef 4.3).
Paulo recorre a este tema, depois de tê-lo abordado no capítulo anterior (1.27). Ninguém pode destruir o fato de que pessoas que creram em Cristo, foram adotadas na família de Deus, nasceram do Espírito, foram seladas pelo Espírito e batizadas no corpo de Cristo pelo Espírito são um em Cristo Jesus. Porém, essas mesmas pessoas podem quebrar essa comunhão como os membros de uma família que em vez de viver em amor, vivem brigando entre si, deixando de desfrutar a alegria de uma convivência harmoniosa. Quando os crentes vivem brigando e falando mal uns dos outros, isso é um espetáculo lamentável e vergonhoso diante do mundo que desonra a Cristo e a própria igreja.
Paulo faz uma transição dos inimigos externos (1.28), para os perigos internos (2.1-4). Ralph Martin diz que esta transição que a palavra grega oun “pois” demarca, presume que Paulo está deixando a ameaça de um mundo hostil, para tratar de um problema igualmente ameaçador, o da comunidade dividida. Paulo alerta para o fato de que uma igreja dividida é uma presa fácil no caso de um ataque frontal da sociedade externa. Assim, não basta apenas ficar firme contra os perigos que vêm de fora, é preciso acautelar-se contra o perigo de esboroar-se por causa das divisões intestinas. Werner de Boor diz que, para Paulo “uma santa e una igreja” não era apenas um artigo de fé.
A palavra inicial usada por Paulo é traduzida melhor por “visto que”, ao invés de “se”. Essa conjunção grega ei “se” implica a inexistência de qualquer dúvida quanto à realidade destas bênçãos, quer na mente de Paulo, quer na experiência dos filipenses: poderia ser traduzido assim: “Tão certo quanto…”.
Acompanhemos o ensino de Paulo sobre esse tema fundamental para a igreja de Cristo em todos os tempos.

Redação Catedral Da Paz

Rede Paz Brasil, Igreja Catedral Da Paz, Rio Verde-GO; Nas publicações podem conter Imagens e Textos das igrejas e seus oficiais e da Internet.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Deixe Seu Comentário

Leave a Reply

Deixe seu comentário.